Mulher presa pela Polícia Civil é acusada de furtar residências no Mirante

Uma mulher de 46 anos, procurada pela justiça desde 2012, foi presa pela Polícia Civil de Arujá no bairro do Mirante, após ter sido identificada como autora de um furto a uma residência da Rua...

232 0

Uma mulher de 46 anos, procurada pela justiça desde 2012, foi presa pela Polícia Civil de Arujá no bairro do Mirante, após ter sido identificada como autora de um furto a uma residência da Rua João de Barro, no Mirante. Além deste furto, em que os materiais roubados foram recuperados, ela foi identificada em outra ocorrência no bairro e está sendo investigada ainda no roubo à residência de uma idosa, a quem ela ameaçou de morte, chegando a imobilizá-la no leito.

Idelândia Vilela da Silva já confessou ser autora das três ocorrências, sendo que nas duas primeiras os materiais roubados ainda estavam com ela e foram reconhecidos e recuperados pelas vítimas. No caso do roubo à residência da idosa, a equipe de investigação composta pelos agentes Alexandre e Leandro, sob a supervisão do chefe de investigadores Gustavo Marques, ainda aguarda que a vítima faça o reconhecimento formal da indiciada.

“Na casa da Idelândia nossa equipe encontrou até mesmo as caixinhas de remédios desta senhora que tem mais 70 anos e que assim como as outras vítimas teve aparelhos de televisão e celular subtraídos. A idosa foi ameaçada de morte e a acusada colocou um colchão sobre ela na cama para garantir que ficasse quieta. Não descartamos a hipótese de que Idelândia possa ter agido em outros bairros“, disse.

Levava a filha
para os furtos

Idelândia Vilela foi identificada após o furto a residência da Rua João de Barro que aconteceu na sexta-feira. Ela é acusada de arrombar a porta da residência e subtrair um notebook, uma televisão, e aparelho celular após revirar a casa toda. As imagens de uma câmera de segurança nas proximidades mostram sua imagem juntamente com a de uma criança, carregando nos braços a televisão e os outros materiais.

Todavia, o que garantiu o ponto de partida para a investigação policial foi uma pasta escolar, com cadernos e livros identificados com o nome de uma estudante de ensino fundamental de uma escola da rede pública no Mirante e que foi esquecida pela acusada na mesa da residência roubada. A pasta foi entregue aos policiais e na pesquisa feita na escola chegaram à conclusão de que a foto das imagens da câmera de segurança e a foi do histórico escolar revelava a mesma criança. A partir daí o endereço de moradia da suspeita foi localizado, ela já se havia mudado, mas a proprietária forneceu o endereço atual.

Na casa da acusada, que por sinal é no próprio bairro do Mirante, os policiais fizeram a vistoria, autorizada pelo marido dela e encontraram os objetos da casa roubada na sexta-feira e vários outros que seriam resultado de outra ocorrência. Idelândia foi encontrada escondida nua residência vazia no mesmo quintal e foi levada à Delegacia de Polícia onde confessou os furtos e também o detalhe de que costumava agir no horário em que pegava a filha na escola. Ela levava a estudante junto com ela para cometer os atos ilícitos.

Segundo o chefe dos investigadores Gustavo Marques, Idelândia está sendo indiciada por duas situações de furto qualificado e provavelmente será indiciada por roubo no caso da idosa, após o reconhecimento formal pela vítima. “Além disso ela é procurada pela Delegacia de Mauá, desde 2012”, explicou. A polícia espera que outras pessoas que possam ter sido vítimas da indiciada procurem a Delegacia de Polícia para formalizar a queixa.


Participe da conversa