Já ouviu falar em transtorno dismórfico corporal e não faz ideia do que isso significa ou quais as causas?

Então, pare tudo o que está fazendo e venha agora descobrir mais sobre essa condição e saber o que pode ser feito sobre esse tema.

Além do mais, ao conhecer os sintomas, será ainda mais fácil identificar e encontrar as respostas que você procura.

Vamos lá?

O que é o Transtorno dismórfico corporal

Para começar, nada melhor que entender exatamente a definição que cerca toda essa condição.

Assim, o transtorno é definido como um tipo de problema psicológico marcado por uma série de sintomas.

Geralmente, os pacientes com o transtorno dismórfico corporal dão uma importância excessiva para coisas, situações ou defeitos considerados pequenos ou imperceptíveis.

Em resumo, é como se existisse uma lente de aumento em determinados problemas.

Nesse caso, o transtorno é direcionado para o corpo do paciente, ou seja, a preocupação gira em torno da aparência.

O resultado disso é uma baixa autoestima e autoconfiança juntamente com o sofrimento psíquico.

Ainda que seja um transtorno considerado grave, é possível que os sintomas comecem mais leves, sendo gradativos e chegando a pontos extremos.

Causas do transtorno dismórfico corporal

O TCD é uma condição que tem como principal causa os distúrbios neuroquímicos do cérebro bem como se relaciona com a genética.

Por outro lado, existe também a possiblidade, sendo uma das principais, de que o ambiente influencie na condição.

Em outras palavras, as condições em que as crianças e adolescentes vivem podem impactar e resultar no surgimento do transtorno.

Por ser considerado um transtorno semelhante aos distúrbios obsessivo-compulsivos, existe a possibilidade de que uma série de fatores atuem em conjunto.

Por exemplo, o paciente pode ter fatores ambientais e taxas elevadas de serotonina ao mesmo tempo.

Com isso, também existem algumas condições consideradas como fatores de risco.

Seguindo essa linha, essas características podem tornar você mais susceptível ao TCD, sendo elas:

  • Ansiedade ou crises ansiosas;
  • Perfeccionismo;
  • Tristeza e/ou depressão;
  • Oscilações na autoestima;
  • Sintomas obsessivos;
  • Introspecção;
  • Solidão, entre outras.

De acordo com alguns estudos, fatores relacionados a pressão social, como os padrões de beleza, também podem influenciar no transtorno dismórfico corporal.

Sintomas do TCD

Seguindo esse post, é chegada a hora de conhecer os sintomas e indícios do transtorno dismórfico corporal.

Mesmo que esteja relacionado ao corpo ou aparência, é importante dizer que os sintomas podem aparecer de diferentes maneiras.

Na maior parte dos casos, os sintomas começam com uma obsessão ou preocupação excessiva com questões especificas que o levam a procurar um médico.

Por exemplo, os pacientes relatam visitas a dermatologistas, cirurgiões plásticos, odontologistas e outros, para “consertar” alguma coisa.

Ainda que no início isso seja leve, com o tempo, se torna uma obsessão completamente irracional e quase impossível de suprir.

Alguns sintomas dessa condição incluem:

  • Verificar constantemente a aparência em espelhos;
  • Apalpar a pele ou regiões do corpo para medir ou avaliar;
  • Cuidar da pele de maneira excessiva;
  • Lavar, escovar ou fazer algo constante os cabelos/unhas;
  • Comparação constante com outras pessoas, etc.

Ao mesmo tempo, é comum que pacientes diagnosticados com transtorno dismórfico corporal costumam:

  • Fazer dietas ou regimes absurdos;
  • Usar medicamentos, principalmente para emagrecer;
  • Forçar o vômito após as refeições;
  • Fazer exercícios físicos de maneira excessiva;
  • Nunca se satisfazer com procedimentos estéticos, etc.

As queixas mais comuns nesses pacientes estão centradas nos lábios, cabelos, face, olhos e nariz. Mas não existe um limite para o distúrbio.

Em casos raros, o paciente pode se sentir incomodado com o cheiro do próprio corpo ou até em relação ao hálito.

Importante: devido aos cuidados excessivos ou mesmo a procedimentos realizados, paciente com esse distúrbio podem apresentar sintomas adjacentes.

Nesses casos, está incluso condições decorrentes, como por exemplo a queda de cabelo devido lavagens e escovações constantes.

Outras condições secundárias incluem perda de esmalte dentário, anorexia, bulimia, excesso de pelo, feridas, dismorfia muscular, entre outras.

Tratamento para transtorno dismórfico corporal

Pensando no corpo como uma máquina que garante a sua vida e bem-estar, pensar no tratamento é entender que não será apenas um profissional.

Em geral, é necessária a atuação de uma equipe multidisciplinar, que pode variar de acordo com o estágio de cada paciente.

Dessa maneira, é essencial procurar um médico para entender exatamente o que está acontecendo.

Frequentemente, ao ir até um clínico, é possível que o mesmo lhe encaminhe até um terapeuta ou psicólogo, responsável por fazer o diagnóstico.

Em alguns casos, a equipe ou profissionais levantam as seguintes questões:

  • Qual o nível em que sua aparência incomoda;
  • Quanto tempo você perde por dia pensando no seu corpo ou aparência;
  • Existe algo que você deixa de fazer devido a esse incômodo.

Essas perguntas servem como base de avaliação para entender o que você está pensando, suas motivações e indicações de distúrbios mentais.

E então, dá-se início o tratamento.

Logo, pode ser recomendado o uso temporário ou não de antidepressivos e outras medicações de controle ou inibidores.

Ao mesmo tempo, é fortemente recomendada a terapia constante.

A terapia serve tanto para identificar os sinais, saber como reduzir as complicações, como a escovação constante de dentes, e ensinar o paciente a procurar um médico quando algo dá errado.

De acordo com diversos especialistas, é comum que o médico foque na utilização de técnicas motivacionais e busca por uma rede social.

Entretanto, o grau do transtorno dismórfico corporal influencia no tipo de tratamento.

Portanto, caso você perceba uma alteração na sua relação consigo mesmo e com a sua aparência ou conheça alguém que se encaixa nesse problema, não hesite em procurar ajuda.

Figura 5 Photo by Deya Rodrigues on Pinterest

Conclusão

Enfim, o transtorno dismórfico corporal é um tipo de condição onde o paciente exagera de maneira progressiva e incontrolável em relação ao próprio corpo.

Fazendo com que uma pequena característica, esteja sempre gritante e sob uma lupa.

Com sintomas marcados em relação a preocupação com a aparência e que podem ser gradativos, é essencial procurar um médico e estar sempre atento.

Então, não espere mais para procurar ajuda e comece a mudar a sua vida. Compartilhe a sua história aqui embaixo e também ajude outros.

Até o próximo post!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, comente
Coloque seu nome aqui